Atendendo as diretrizes designadas pelo Controlador-Geral do Estado, Otávio Gomes, quanto à normatização dos procedimentos internos e a constante melhoria do fluxo de tratamento das demandas, os principais setores da Controladoria-Geral do Estado (CGE) estiveram reunidos nesta segunda-feira, dia 13, para alinhar metodologias para o tratamento de demandas que chegam à secretaria.

O trabalho tem como foco a melhoria contínua da execução dos procedimentos internos da CGE. A reunião contou com a participação do Subcontrolador-Geral de Transparência e Ouvidoria, Rogério de Sá Nogueira e com a participação, de forma virtual, da Subcontroladora-Geral de Controle Interno, Lúcia Magalhães.

Assessores do gabinete, da assessoria jurídica, de controle interno, e de transparência e ouvidoria avaliaram a forma de tratamento das demandas que chegam à secretaria e o quesito ´denúncias´ foi o que teve destaque por necessitar de cuidados no tratamento e nas respostas, bem como na proteção ao denunciante.

Segundo o Controlador-Geral, Otávio Gomes, o aperfeiçoamento constante das ferramentas de atuação interna, assim como a atualização dos procedimentos internos e a busca pela melhor execução das normativas institucionais, são essenciais para o avanço da gestão pública e a melhor prestação dos serviços públicos. “A CGE normatizará o fluxo das tratativas das demandas por meio de Instrução Normativa. O documento consolidará internamente o processo que vai da recepção da demanda à resposta ao reclamante ou denunciante. Buscamos meios para melhor atender ao cidadão a cada dia”, frisou o Controlador.

O Subcontrolador-Geral de Transparência e Ouvidoria, Rogério de Sá Nogueira, falou sobre o fluxo da tramitação das denúncias, assim como das demais demandas que chegam à CGE. “Vamos trabalhar na elaboração de uma Instrução Normativa que deverá abranger a definição de critérios para o tratamento das denúncias, procedimentos de análise, e ainda, a inclusão de normas de proteção ao denunciante”, informou.

Segundo a Subcontroladora-Geral de Controle Interno, Lúcia Magalhães, a normatização é essencial no processo de tratamento das demandas por proporcionar maior fluidez ao processo e transparência nos critérios de análise dessas manifestações. “Teremos o fluxo de atuação de forma otimizada. Serão demandas recepcionadas, atendidas e respondidas em menor tempo. Quem ganha é o cidadão”, analisou.